Sorotipo 2 da Dengue já circula em São Carlos – Comando VP
Início » Destaque » Sorotipo 2 da Dengue já circula em São Carlos

Sorotipo 2 da Dengue já circula em São Carlos

A Vigilância Epidemiológica confirmou que o sorotipo 2 da Dengue já circula em São Carlos. O vírus é tido como mais agressivo, uma vez que a maioria da população não está imunizada especificamente para esse sorotipo, o que pode levar a um aumento no número de infecções.

“É uma tendência que já vinha sendo observada. A gente já imaginava, principalmente porque em Araraquara, cidade vizinha, que sofre uma epidemia de Dengue, os resultados das amostras já confirmavam a predominância do DENV2”, disse Denise Scatolini, chefe da Seção de Apoio à Vigilância em Saúde e Informação da Secretaria Municipal de Saúde.

Em 2018 foram registradas em São Carlos 755 notificações da Dengue, sendo que 26 casos foram confirmados, sendo 16 autóctones e 10 importados. De Chikungunya foram 55 notificações, com 3 casos confirmados importados. Para Zika foram registradas 6 notificações, mas nenhum caso positivo e para febre amarela 10 notificações, porém ninguém contraiu a doença.

Em 2019 já temos 97 casos positivos de Dengue, sendo 69 autóctones e 28 importados. Até o momento foram registradas 666 notificações. Nenhum caso de Zika, Chikungunya ou Febre Amarela foi registrado até o momento.

De acordo com Denise Scatolini o número de notificações, assim como o número de casos positivos, deve aumentar. “Abril é o mês de pico da doença, de maior incidência, e também as pessoas que estão em área de risco e com sintomas vão ser classificados por critério clínico e epidemiológico”, explicou a chefe da Seção de Apoio à Vigilância em Saúde e Informação.

Os casos autóctones, que são os contraídos aqui na cidade mesmo, já foram confirmados nos bairros Vila Prado, Bela Vista, Boa Vista, região do grande Cidade Aracy, Antenor Garcia, Eduardo Abdelnur e Jardim São Carlos. “Os casos autóctones aumentam porque uma vez que temos o vetor voando, a disseminação da doença é muita rápida”, afirmou Scatolini lembrando que até o momento não foi registrado nenhum caso grave da doença.

A Equipe de Combate à Endemias confirma que os principais criadouros encontrados são: prato de planta, vaso de planta, bebedouro de animal, depósito para horticultura, depósito não elevado, pneus, piscina fixa e móvel, lona, baldes, latas, frascos e plásticos em geral (inservíveis, ou seja, que devem ser jogados no lixo e não são, e aqueles utilizados pelo morador), material de construção e carriola.

A Vigilância Epidemiológica orienta para que as pessoas com qualquer sintoma da doença, como febre alta, associada à dor de cabeça, prostração, dores musculares, nas juntas, atrás dos olhos, vermelhidão no corpo e coceira, procurem inicialmente as unidades básicas ou de saúde da família mais próxima da sua residência.

Os moradores que tiverem alguma dúvida sobre o combate ao mosquito Aedes aegypti podem entrar em contato com Vigilância Epidemiológica pelo telefone (16) 3307-7405.

Compartilhar

Seu comentário é de sua inteira responsabilidade. Não reflete nossa opinião.

Deixe o seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.





Curta nossa Fan Page
Visite nosso site!
Visite nosso site!
Casa de Carne Milaré
STUDIOK
DEMILLUS
Jantar Dia das Mães
Classificadão São Carlos
Classificadao grátis