O que é Bulimia, sintomas, causas, tratamento, cura e mais. – Comando VP
Início » Colunistas » O que é Bulimia, sintomas, causas, tratamento, cura e mais.

O que é Bulimia, sintomas, causas, tratamento, cura e mais.

Se você vem ingerindo, mais de duas vezes por semana, um grande número de alimentos num curto espaço de tempo, e se ainda esses episódios ocorrerem a três meses, sendo que essa prática usa de meios não muito adequados para não apresentar ganho de peso como: vômito induzido, uso de purgantes (laxantes e diuréticos), prática de ginástica excessiva, pois tem uma extrema preocupação com sua forma física, procure um profissional, o diagnóstico certamente será de Bulimia Nervosa.

A bulimia nervosa é uma doença que requer um tratamento interdisciplinar, que consiste na compulsão periódica de alimentos, seguida da utilização de estratégias para ‘eliminar’ as calorias ingeridas, podendo ocorrer por métodos purgativos (auto-indução de vômitos ou uso indiscriminado de laxantes, diuréticos ou enemas) e não purgativos (jejuns e exercícios físicos excessivos).

A pessoa que desenvolve o quadro de bulimia nervosa, em geral, valoriza muito a forma do corpo e o peso, possuindo uma percepção física distorcida e dificuldade em identificar as emoções. Apresenta uma baixa auto-estima, um nível elevado de ansiedade, um baixo limiar à frustração e um prejuízo no controle dos impulsos. Em sua insegurança, elege padrões de beleza muito altos, praticamente inatingíveis, na tentativa de corresponder à tendência da sociedade em eleger a magreza como símbolo de sucesso e beleza. Ao perceber que não atingiu suas metas, sente-se deprimida, fracassada e retorna à compulsão, com conseqüente culpa e depressão (Behar, 1994). As compulsões apresentam-se associadas a estados de humor disfóricos, como depressão, situações negativas ou provocadoras de stress.

Pacientes com Bulimia apresentam dificuldades em controlar seus impulsos, o que pode levar a dependência em substâncias, como por exemplo o álcool, além de comer compulsivamente e induzir a purgação; sendo que as duas últimas são características marcantes desse transtorno alimentar.

A bulimia pode ser causada por fatores genéticos, psicológicos, traumáticos, familiares, sociais e culturais. Abaixo, alguns motivos que podem desencadear o distúrbio.  Veja quais são:

  • Sexo feminino:Adolescentes e jovens adultas são mais propensas a terem bulimia – o que não exclui os homens de também desenvolverem a doença.
  • Genética: Não é algo que seja comprovado, mas supõe-se que pessoas com parentes de primeiro grau com algum tipo de transtorno alimentar pode ser mais propenso a desenvolvê-lo também.
  • Problemas psicológicos e emocionais: Pessoas com transtornos psicológicos ou baixa auto-estima podem desenvolver mais facilmente a bulimia. Gatilhos como estresse, dieta restritiva, tédio ou auto-imagem pobre do corpo fazem com que a pessoa busque maneiras de se sentir melhor com a sua própria imagem e/ou vida.
  • Mídia e pressão social: Revistas de programas televisivos ou de moda apresentam um padrão de beleza universal que fazem com que muitas pessoas (em sua maioria meninas) associem a magreza com sucesso e popularidade.
  • Esportes, trabalho ou pressões artísticas: Atletas  e profissionais do meio artístico em geral, como atores e dançarinos, possuem maior risco de desenvolverem transtornos alimentares. Treinadores ou pais podem, involuntariamente, incentivar essas pessoas a perderem peso e manter, assim, um peso baixo.

Sintomas

Mais Visíveis

  • Não se alimentar na frente de outras pessoas;
  • Mesmo estando com o peso ideal, a pessoa age como se estivesse sob dieta, controlando todas as calorias que ingere e revelando o seu medo excessivo de engordar;
  • Faz exercícios compulsivamente e se mostra culpada quando não o faz;
  • Dissimula a aparência, usando roupas mais folgadas;
  • Afasta-se das pessoas, podendo se tornar desconfiada e agressiva;
  • Apresenta sintomas de desnutrição, tais como: tontura, desmaio, fadiga, sono ou insôniae inchaço no corpo;
  • Emagrecimento súbito.

Menos visíveis

  • Vômitos após as refeições: a pessoa pode ir ao banheiro logo após se alimentar e permanece por lá por muito tempo.
  • Uso de laxantes e diuréticos: alguns sinais podem ser apresentados por conta dessa prática, como queixas de cólicas abdominais, inflamações anais ou descontrole intestinal.

Tratamento

Muitas vezes quem sofre de bulimia não quer mostrar aos outros esse problema. Porém, para que a doença seja tratada e, posteriormente, curada, é preciso que o próprio paciente admita para si mesmo que é doente e que precisa de ajuda. Após isso, tratamentos nutricionais e psicológicos são feitos em conjunto a fim de fazer com que o conjunto de fatores que desencadeou a doença seja revertido.

Passos para a recuperação

O primeiro passo para o tratamento da bulimia é admitir que a sua relação com a comida é distorcida e fora de controle.

  1. Fale com alguém: À primeira vista, falar com alguém sobre a situação pode parecer difícil. Porém, esse passo é fundamental para a recuperação, até porque isso faz você perceber que não está sozinho nessa batalha.
  2. Mantenha distância de pessoas, lugares ou atividades que desencadeiam a tentação da compulsão ou expurgação: Esse passo pode ser complicado no início, mas é preciso que você se afaste de gatilhos que irão desencadear os sintomas que a bulimia tem como características.
  3. Procure ajuda profissional: O aconselhamento e apoio profissional, independente da área que for, é muito importante para que você consiga recuperar integralmente a sua saúde.

 Procurando ajuda profissional

Não é raro encontrar pessoas que tenham bulimia e que também apresentarem quadros de depressão. Se esse for o seu caso – ou de alguém próximo –, é importante que um acompanhamento psicológico e psiquiátrico seja realizado ao longo do decorrer de todo o tratamento – esse depende da gravidade da bulimia, bem como da resposta da pessoa aos tratamentos.

Alguns exemplos de como tratar essa doença são:

  • Terapia cognitivo-comportamental + terapia nutricional;
  • Grupos de apoio;
  • Uso de antidepressivos quando o quadro clínico encontra-se em estado grave.

Autora:

Adriana Gomes – CRP-06/48544
Psicóloga – Graduada pela Universidade Estadual Paulista – UNESP Bauru.
Pós Graduada em Terapia Cognitivo Comportamental pela Faculdade Unyleya
Contato
Rua: Conde do Pinhal 1831 – sala 03 – Centro – São Carlos/SP
Fone(16) 99245-5338
Facebook: @adrianagomespsicologa
Instagram: @adrianagomes5901
Atendimento on line: https://goo.gl/DGkhSV

Compartilhar

Seu comentário é de sua inteira responsabilidade. Não reflete nossa opinião.

Deixe o seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.





Curta nossa Fan Page
Visite nosso site!
Visite nosso site!
Casa de Carne Milaré
STUDIOK
DEMILLUS
Jantar Dia das Mães
Classificadão São Carlos