Após quase uma década Líbano realiza as primeiras eleições – Comando VP
Início » Mundo » Após quase uma década Líbano realiza as primeiras eleições

Após quase uma década Líbano realiza as primeiras eleições

O Líbano entra, neste domingo (6), em uma etapa fundamental para tentar superar as divisões políticas e religiosas do país, com a realização das primeiras eleições legislativas em quase uma década. Deverão participar cerca de 3,6 milhões de eleitores.

Desde a sua independência, em 1943, o país ganhou território, acrescentando ao seu mapa regiões férteis como o Vale do Bekka e o do Akkar. No entanto, a isso se somou a instabilidade. O país se depara com um histórico de governos frágeis, devido à sua complexa composição religiosa e a interesses das potências globais, como Estados Unidos, Rússia e França.

Turquia costura alianças e tenta se tornar a potência do Oriente Médio   

A última crise ocorreu em novembro último, depois de o primeiro-ministro Saad Hariri renunciar durante uma viagem a Riad (Arábia Saudita), sentindo-se ameaçado pela influência do Irã e a atuação do grupo radical xiita Hezbollah, que tem representantes do parlamento e no governo locais.

Hariri, sunita, retornou ao cargo após negociação e agora faz parte de uma surpreendente aliança com o grupo do presidente Michel Aoun, cristão maronita. As eleições serão marcadas por um novo sistema proprocional, que pretende estruturar uma justa divisão entre os grupos que compõem o país, como os cristãos (40%), sunitas (27%) e drusos (de linha muçulmana específica).

Há também os grupos não-religiosos. Entre os muçulmanos, a presença de palestinos se iniciou maciçamente nos anos 70, após a grande expulsão deles da Jordânia, conhecida como Setembro Negro, e a instalação da então Organização para a Libertação da Palestina.

Esse emaranhado de interesses já foi causa de uma sangrenta guerra, a do Líbano (1975-1990), em que Israel teve participação, interessada em anular a influência da OLP, que havia criado praticamente um Estado dentro do Estado.

Na ocasião, a morte de Bashir Guemayel, em atentado com carro-bomba, levou ao massacre de Shabra e Chatila, impetrado por forças cristãs como retaliação. Guemayel fazia parte das Falanges Libanesas, grupo cristão de extrema-direita que tinha o apoio de Israel, e estava prestes a assumir a presidência.

País de refugiados

Com o fim da guerra, em 1990, o Hezbollah, milícia xiita considerada terrorista por alguns países ocidentais, foi ganhando força, substituindo a OLP como inimigo de Israel dentro do território libanês.

Em 2005, o pai de Saad, Rafik Hariri, pouco tempo depois de deixar o cargo de primeiro-ministro, também foi assassinado, em crime que foi atribuído à Síria em parceria com membros do Hezbollah. O autor específico, porém, nunca foi revelado. Os acusados negam serem os autores.

A esperança é que, depois de um período sem eleições, em função das crises, esse sistema proporcional permita a abertura de espaço para mais grupos independentes, o que, teoricamente, poderia reduzir o poder daqueles que há anos vêm predominando no cenário político.

O temor é que essa abertura amplie ainda mais as divisões no país, endividado e, além dos desafios políticos, buscando suportar economicamente a chegada de inúmeros refugiados, vindos da guerra na vizinha Síria.

Segundo a Acnur (Agência das Nações Unidas para Refugiados), o Líbano abriga cerca de 1,5 milhão de refugiados da Síria. É a nação que tem a maior população relativa de deslocados de países, devido a conflitos e violência interna. A Comissão Europeia, em estudo divulgado em janeiro de 2018, informou que 30% dos que habitam o país são refugiados.

Desde os anos 40, o sistema político libanês visa a distribuição do poder aos grupos predominantes. A constituição da época estabeleceu que o cargo de presidente seja destinado a um cristão maronita; o de primeiro-ministro a um muçulmano sunita e o de presidente da Assembleia Nacional, a um xiita.

A Assembleia Nacional foi criada para dar estabilidade ao país, após a guerra civil. As 128 cadeiras são divididas igualmente entre muçulmanos e cristãos. Há a expectativa de crescimento Hezbollah, que possui atualmente 12 cadeiras e é aliado da Síria. Após a morte de Rafik, forças sírias deixaram o país formalmente, mas podem manter sua influência por meio deste grupo.

Fonte: r7

Compartilhar

Seu comentário é de sua inteira responsabilidade. Não reflete nossa opinião.

Deixe o seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.





Curta nossa Fan Page
Visite nosso site!
Visite nosso site!
Casa de Carne Milaré
STUDIOK
DEMILLUS
Jantar Dia das Mães
Classificadão São Carlos