Sem medo de ser feliz, casal adota bebê com microcefalia – Comando VP
Início » Brasil » Sem medo de ser feliz, casal adota bebê com microcefalia

Sem medo de ser feliz, casal adota bebê com microcefalia

Uma espera de quase dois anos. Uma gestação de seis dias. Foi assim que o bebê com microcefalia nascido em Campo Grande chegou à família a 800 quilômetros. No cadastro nacional, o casal estava entre os 202 pais que aceitariam uma criança com problemas de saúde e deficiências. Vindos de outro Estado, eles tiveram menos de uma semana para decorar todo o quarto que tanto esperava para receber um bebê.

Ele tem 38 anos e trabalha assentando pedras ornamentais e ela, professora de 33. A mãe biológica já tinha entrado com o processo para entrega do filho à adoção, ainda na barriga, por falta de condições financeiras. Segundo o núcleo de adoção, a microcefalia foi diagnosticada depois do nascimento. Como o processo ainda corre na Justiça, os nomes não podem ser revelados, nem tampouco as fotos que estampam a felicidade que o casal está, de ter o filho nos braços.

Em conversa por telefone com o Lado B, a voz deles deixa explícita a realização de serem pais. Um misto de alegria, com emoção, onde até o choro do bebê vira sinfonia aos ouvidos.

Professora, a mãe conta que desde a adolescência sabia de problemas de saúde que dificultariam uma gestação e quando começou a namorar quem hoje é o marido, não escondeu. “Não sei se um dia eu vou pdoer engravidar e ele disse: ‘sem problema algum, a gente adota'”, lembra.

Nela a ideia já existia desde a infância, depois que uma das tias adotou o primo. “Eu achava bonito”, completa. Juntos, o casal têm 13 anos entre namoro, noivado e casamento e há dois, quando as tentativas de engravidar naturalmente não engrenaram, numa bateria de exames o marido também descobriu que as chances dele eram poucas.

“Quando saíram os resultados finais, a gente teve aquele abalo, porque por mais que você diga que um dia vai adotar, tem ainda a esperança de engravidar”, fala a mãe. O pensamento, à época, foi interrompido por ele, que de imediato lembrou da possibilidade da adoção. Dentre os preparativos de curso e entrevistas, levou cerca de 1 ano até sair a habilitação e o casal ser encaminhado ao cadastro nacional de adoção.

“Foi setembro de 2014. A gente não determinou sexo, cor, raça, questão de região e problemas de saúde. A única coisa que a gente foi um pouco mais taxativo foi a questão da idade, de ser recém nascido e até no máximo 1 ano e meio”, descreve a professora.

Fonte:http://www.campograndenews.com.br

Compartilhar

Seu comentário é de sua inteira responsabilidade. Não reflete nossa opinião.

Deixe o seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.





Curta nossa Fan Page
Visite nosso site!
Visite nosso site!
Casa de Carne Milaré
STUDIOK
DEMILLUS
Jantar Dia das Mães
Classificadão São Carlos