Polícia faz reconstituição para esclarecer quem matou o sargento da PM – Comando VP
Início » Destaque » Polícia faz reconstituição para esclarecer quem matou o sargento da PM

Polícia faz reconstituição para esclarecer quem matou o sargento da PM

Na manhã desta quarta-feira (14), a Polícia Científica está na Rua Luiz Faggioni em Matão para fazer a reconstituição da morte do Sargento Arruda, morto em um conflito com três bandidos ao tentar ajudar um padre que estaria sendo extorquido.

O relatório oficial diz que os policiais foram ao local com o carro de um PM, uma VW/Parati de cor prata. O Sargento Arruda, o Cabo Valério e o Cabo Campos entraram na casa junto com o padre, e o outro policial ficou nas imediações.

Dentro da casa, o padre Edson Maurício teria recebido a ligação do vulgo Banana, dizendo que estava chegando na casa e que viu um carro com placas de Araraquara na rua. Banana afirmou que se houvesse mais alguém na casa iria entrar atirando.

Os três policiais se esconderam na residência e ouviram o padre Edson recebendo os indivíduos, porém Banana entrou fazendo uma varredura na casa e encontrou o sargento Arruda, que disse “polícia!”. Banana efetuou dois disparos no peito da vítima e fugiu em motos, com mais dois rapazes. Há indicativos que o sargento efetuou um disparo com sua arma particular. Os peritos do Instituto de Criminalística de Araraquara, em cima do relato das testemunhas, iniciaram os trabalhos e a reconstituição do crime na casa do padre.

Este laudo deverá ajudar a polícia civil a fechar o inquérito sobre a morte do policial.

Já o empresário Cristiano Rumaqueli, citado na investigação, disse que conhece o padre e soube que ele estava sendo extorquido. Quando estava na frente do seu estabelecimento, avistou o Sargento Arruda, que passou para cumprimentá-lo, e comentou o caso com Arruda, que disse que estava comemorando em razão de uma sentença favorável e iria até Matão para dar um susto nos “nóias” que estavam ameaçando o padre. Por volta de 21h, Rumaqueli, dois amigos e o padre teriam saído de Araraquara e ido para Matão com um veículo Toyota/Corolla, seguidos pelos policiais que estavam em um VW/Parati. Ele chegaram na casa do padre, que desceu acompanhado pelos policiais e Rumaqueli permaneceu dando voltas no quarteirão, pois sabia que os bandidos estavam para chegar, momento em que o padre ligou dizendo que as coisas haviam dado errado. A reconstituição do crime irá apurar também o envolvimento do garagista e se eles realmente teriam saído juntos de Araraquara para ir até a casa do sacerdote.

Fonte: portal morada

Homem acusado de extorqui padre se entrega, mas diz que só fala em juízo

Compartilhar

Seu comentário é de sua inteira responsabilidade. Não reflete nossa opinião.

Deixe o seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.





Curta nossa Fan Page
Visite nosso site!
Visite nosso site!
Casa de Carne Milaré
STUDIOK
DEMILLUS
Jantar Dia das Mães
Classificadão São Carlos