PF diz que traficante movimentou R$ 500 milhões entre 2014 e 2017 – Comando VP
Início » Brasil » PF diz que traficante movimentou R$ 500 milhões entre 2014 e 2017

PF diz que traficante movimentou R$ 500 milhões entre 2014 e 2017

A Polícia Federal desarticulou nesta terça-feira (15) um grupo de doleiros que lavavam dinheiro utilizado pelo tráfico internacional de drogas a mando de Luiz Carlos da Rocha, conhecido como Cabeça Branca, apontado como um dos maiores narcotraficantes da América Latina, segundo a polícia. Ele teria movimentado R$ 500 milhões entre 2014 e 2017, apenas com o dinheiro do tráfico. Ao todo, a operação prendeu oito pessoas.

Planilhas encontradas pela PF durante a investigação sobre o Cabeça Branca indicam que o suspeito negociou 27 toneladas de cocaína em três anos. Na época, ele teria recebido US$ 140 milhões.

O suspeito foi preso em julho de 2017 durante a Operação Spectrum. “O Cabeça Branca era muito restrito, eram poucas as pessoas que tinham contato direto com ele. E todos os presos hoje tinham relação com ele”, afirmou o delegado Roberto Biasoli.

A Operação Efeito Dominó é um desdobramento da Spectrum. Cerca de 90 policiais federais cumpriram 26 ordens judiciais, sendo 18 mandados de busca e apreensão, cinco mandados de prisão preventiva e três mandados de prisão temporária no Rio de Janeiro, Pernambuco, Ceará, Paraíba, Mato Grosso do Sul e São Paulo, além do Distrito Federal.

Como resultado, a PF desarticulou uma rede de doleiros que o Cabeça Branca utilizava para lavar o dinheiro proveniente do comércio internacional de drogas. “O núcleo principal de doleiros delatores foi preso durante a operação”, afirma.

A pasta informou, ainda, que há relação entre os doleiros usados pelo tráfico com pessoas investigadas na Operação Lava Jato. Um dos envolvidos é o Carlos Alexandre, mais conhecido como Ceará, delator da Lava Jato.

“Quanto ao operador financeiro (“doleiro”) já investigado da Operação Lava Jato, chama atenção o fato de ter retornando às suas atividades ilegais mesmo tendo firmado acordo de colaboração premiada com a Procuradoria Geral da República e posteriormente homologado pelo Supremo Tribunal Federal. A Procuradoria Geral da República e Supremo Tribunal Federal serão comunicados sobre a prisão do réu colaborador para avaliação quanto a ‘quebra’ do acordo firmado”, afirmou a PF.

O delegado informou, por exemplo, que dois quartos de um hotel em São Paulo eram utilizados como o local para a troca de dinheiro. “O grupo é reservado. Após a prisão do Cabeça Branca, eles mantinham um estilo de vida mais tranquilo. Nada exótico”, disse.

R7 tenta contato com os advogados dos citados nesta matéria para maiores esclarecimentos. O espaço está aberto para manifestação.

FOnte r7

Compartilhar

Seu comentário é de sua inteira responsabilidade. Não reflete nossa opinião.

Deixe o seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.





Curta nossa Fan Page
Visite nosso site!
Visite nosso site!
Casa de Carne Milaré
STUDIOK
DEMILLUS
Jantar Dia das Mães
Classificadão São Carlos