Falta de efetivo acaba com mortos e feridos em rebelião – Comando VP
Início » Brasil » Falta de efetivo acaba com mortos e feridos em rebelião

Falta de efetivo acaba com mortos e feridos em rebelião

Nove presos mortos, 14 feridos, 106 foragidos. Este foi o saldo de um motim ocorrido na tarde desta segunda-feira (1-01-2018), no Presídio Semiaberto, no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia.

Presidente do Sindicato dos Agentes Prisionais, Maxell Neves disse ao site  MAIS GOIÁS que já havia alertado sobre a possibilidade de um motim no semiaberto na semana passada, e garantiu que uma rebelião com número de vítimas ainda maior está prestes a acontecer na Penitenciária Coronel Odenir Guimarães (POG), antigo Cepaigo.

A confusão no semiaberto começou logo após o almoço, quando presos que estavam na Ala C invadiram as Alas A e B, e entraram em confronto com detentos rivais. Entre os mortos, pelo menos um foi decapitado, e outro teve o corpo incendiado.

Na confusão, 106 presos que estavam no regime bloqueado fugiram, e uma das alas foi incendiada. Com a ajuda de militares do Grupo de Radiopatrulha Aérea (Graer), que enviou até o helicóptero para a região, e do Batalhão de Choque, Agentes Prisionais conseguiram retomar o controle do presídio às 16 horas. Durante revista na cadeia, foram encontradas duas pistolas, um revólver calibre 38, e várias facas de fabricação caseira.

No decorrer da tarde, as forças de segurança recapturaram 29 foragidos. Segundo Maxuell Neves, a tragédia no semiaberto já havia sido anunciada, e o problema em todo o Estado é a falta de efetivo de agentes prisionais. “Eu falei em um programa de televisão na semana passada que teríamos, nos próximos dias, rebeliões em Rio Verde, no semiaberto, e na POG. As duas primeiras já aconteceram, e a próxima será ainda mais trágica, já que na POG existem várias armas de fogo nas mãos de detentos, e hoje lá são apenas oito, e quando muito, no máximo, 12 agentes para cuidar de 1.600 presos por turno”, denunciou.

O presidente do Sindicato dos Agentes Prisionais disse ainda que se o governo estivesse pagando hora extra para os agentes, a confusão no semiaberto poderia ter sido evitada. “Hoje tínhamos somente quatro agentes para cuidar de 1.200 presos quando aconteceu o motim no semiaberto, e agora, no final da tarde, o governo anuncia que liberou hora extra para seis plantões, mas aí eu pergunto, porque não fizeram isso antes”?, questionou.

Por meio de nota encaminhada à imprensa, a Superintendência Executiva de Administração Penitenciária confirmou o número de mortos, feridos e foragidos, e anunciou que irá se pronunciar sobre a confusão durante uma coletiva nesta terça-feira (2), pela manhã. Os nomes dos presos mortos e feridos não foram divulgados.

Fonte: www.emaisgoias.com.br

 

Compartilhar

Seu comentário é de sua inteira responsabilidade. Não reflete nossa opinião.

Deixe o seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.





Curta nossa Fan Page
Visite nosso site!
Visite nosso site!
Casa de Carne Milaré
STUDIOK
DEMILLUS
Jantar Dia das Mães