Bolsonaro "dispara" contra Mandetta – Comando VP
Início » Brasil » Bolsonaro “dispara” contra Mandetta

Bolsonaro “dispara” contra Mandetta

Presidente afirma faltar humildade ao ministro e diz que ele ”extrapolou” nas suas funções, mas nega a intenção de exonerá-lo. Em mais uma tentativa de conter a crise explícita, o titular da Saúde responde: ”Quem tem mandato popular fala; e quem não tem, trabalha”

 

No mais claro sinal de descontentamento com Luiz Henrique Mandetta, o presidente Jair Bolsonaro fez duras críticas ao ministro da Saúde, que vem ganhando destaque em meio ao combate à pandemia de coronavírus. Há semanas, nos bastidores do Planalto, interlocutores apontam uma tentativa do comandante do Executivo de fritar a imagem do médico que atua na linha de frente das medidas adotadas em razão da disseminação da Covid-19 no país. Ontem, em entrevista à Rádio Jovem Pan, o chefe de Estado afirmou que o subordinado “extrapolou em algum momento”, e completou declarando que Mandetta “não tem humildade”. Apesar das críticas, ele ressaltou que não pretende demitir o ministro neste momento.

“O Mandetta já sabe que a gente está se bicando há algum tempo. Eu não pretendo demitir o ministro no meio da guerra. Agora, ele é uma pessoa que, em algum momento, extrapolou”, acusou, confessando abertamente a existência de atritos entre os dois que, até então, negava. “Ele sabe que tem uma hierarquia entre nós. Eu sempre respeitei todos os ministros, o Mandetta também. Ele montou o ministério de acordo com sua vontade. Eu espero que ele dê conta do recado.”
O “desabafo” de Bolsonaro aconteceu após ele ser perguntado se demitiria Mandetta para escolher um ministro da Saúde que concordasse que a medida de controle à pandemia mais efetiva para o momento seria o isolamento vertical, em que apenas as pessoas do grupo de risco, como idosos, deveriam cumprir confinamento. O presidente tem reiterado esse desejo diariamente, enquanto o ministro cobra cautela.
“O Mandetta quer fazer valer muito a vontade dele. Pode ser que ele teje (sic) certo, pode ser. Mas tá faltando um pouco mais de humildade dele para conduzir o Brasil neste momento difícil que nós nos encontramos e que precisamos dele para que a gente vença essa batalha com o menor número de mortes possível”, enfatizou.
O presidente ainda reclamou que, no Ministério da Saúde, alguns profissionais se contagiaram pelo clima de “histeria” e de “pânico” em razão da pandemia e ordenou que “já está no momento de todos botarem o pé no chão”. “Se destruir o vírus e destruir também os empregos, nós vamos destruir o Brasil. É isso que nós temos de entender. É como numa guerra. Numa guerra, infelizmente, você perde soldados, e soldados são seres humanos”, argumentou. “E, aqui, você também vai perder gente, nessa luta contra o vírus. Mas se você fizer dessa forma que alguns governadores e prefeitos estão fazendo, até por orientação do Ministério da Economia (na verdade, da Saúde), o preço vai ser muito alto a ser pago lá na frente.”
Mandetta não polemizou com Bolsonaro. Às críticas do mandatário, disse apenas “ok” e acrescentou que não comenta o que o presidente da República fala. “Ele tem mandato popular, e quem tem mandato popular fala, e quem não tem, como eu, trabalha”, resumiu, em entrevista à Folha de S. Paulo. “Nunca fiz nenhum comentário sobre as ações dele. Não se comenta o que o presidente da República fala.”
Atritos
Desde os primeiros casos de coronavírus no Brasil, Mandetta defende distanciamento social, compra de suprimentos médicos, criação de leitos de UTI, hospitais de campanha e investimento em pesquisa científica para conter a tragédia provocada pela doença na maioria das nações atingidas. Na contramão disso, Bolsonaro descumpre recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do ministro e sai às ruas, juntando aglomerações e anunciando tratamentos que ainda não foram comprovados cientificamente.
A postura técnica de Mandetta agrada parlamentares tanto do governo quanto de oposição e arranca elogios de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), a ponto de o presidente da Corte, Dias Toffoli, afirmar, em uma das sessões, que ele é “inamovível” no governo. No entanto, o protagonismo do titular da Saúde incomodou Bolsonaro, que agiu para reduzir a presença dele em coletivas de imprensa, comunicados e boletins sobre a situação epidemiológica do país. Além de os informes terem sido transferidos para o Planalto, a presença de integrantes da área militar do governo nas conferências foi reforçada, mesmo sem ligação direta com o combate à epidemia.
Divisão
Nos bastidores, outros ministros têm mostrado apoio às medidas definidas por Mandetta. Até mesmo parte da ala militar entende a gravidade da crise de saúde pública, social e econômica e defende a postura estratégica do titular da Saúde.
Enquanto outras nações acordaram para a necessidade de isolamento social e a importância de medidas econômicas para socorrer os mais vulneráveis e as empresas, Bolsonaro ainda duvida da gravidade da situação. No entanto, acreditava-se que o atrito no centro do Executivo, que opõe ideologia e realidade científica, não seria levado a público. “A preocupação minha é o vírus e o desemprego, que não pode ser tratada de forma dissociada. No domingo, eu, como chefe de Estado, como comandante, fui a Ceilândia e Taguatinga ver o povo. É triste e desesperador o que a gente vê, em especial junto aos informais”, frisou. “Esses levaram uma paulada no meio da testa, com as medidas tomadas por alguns governadores. O que foi, ao meu entender, uma série de medidas exageradas. De 0 a 30 anos, tem 0% de óbito no Brasil; de 30 a 39, tem 3,3% de óbito”, frisou. A saída pelas ruas da capital, no domingo, provocou críticas de Legislativo, Judiciário e entidades da sociedade civil.
Jejum contra a pandemia
O presidente Jair Bolsonaro disse que vai definir um dia de jejum contra a Covid-19: “Paz, tranquilidade. Para quem tem fé, Papai do céu está conosco, acredite em Deus. E vamos brevemente, de acordo com o que evangélicos e católicos têm pedido para mim, marcar um dia de jejum de todo o povo brasileiro para a gente ficar livre deste mal o mais rápido possível”, afirmou.
Volta do comércio por decreto
O presidente Jair Bolsonaro reforçou que as questões do “vírus e desemprego não podem ser tratadas de forma dissociada” no Brasil e defendeu o afrouxamento das regras de quarentena. Segundo o presidente, se, a partir da próxima semana, “não começar a voltar o emprego, vou ter de tomar uma decisão”. Entre as alternativas, Bolsonaro, em entrevista à Rádio Jovem Pan, sugeriu “numa canetada” autorizar o retorno às atividades dos comerciantes. “Eu tenho um projeto de decreto pronto para ser assinado, se for preciso, que considera como atividade essencial toda aquela indispensável para levar o pão para casa todo dia”, afirmou o presidente. Segundo ele, “enquanto o Supremo ou o Legislativo não suspender os efeitos do meu decreto, o comércio vai ser aberto. É assim que funciona”.
Fonte: https://www.correiobraziliense.com.br/
Compartilhar

Seu comentário é de sua inteira responsabilidade. Não reflete nossa opinião.

Deixe o seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.





PGlmcmFtZSBzcmM9Imh0dHBzOi8vZDZvanc5c3Q4OW8zby5jbG91ZGZyb250Lm5ldC9CUkdhbGxlcnkvaW5kZXgucGhwL3BsYXllci92aWV3L2VsZWdhbnRlMTsxNzc7NTk7WkRNMmJuSXdkVE40YldNMGJXMHVZMnh2ZFdSbWNtOXVkQzV1WlhRdmFXNWtaWGd1Y0dod0wyRndhUzl6ZEhKbFlXMXBibWN2YzNSaGRIVnpMemd5T0RBdk16Y3lNV1pqT0dGak5UQTROamhtWVRBNU9UbGlNalEzTUdVeFpEaGpZelF2YzJWeWRtbGtiM0l6Tmk1aWNteHZaMmxqTG1OdmJRPT07ZmFsc2UiIGJvcmRlcj0iMCIgc2Nyb2xsaW5nPSJubyIgZnJhbWVib3JkZXI9IjAiIGFsbG93VHJhbnNwYXJlbmN5PSJ0cnVlIiBzdHlsZT0iYmFja2dyb3VuZC1jb2xvcjogbm9uZTsiIHdpZHRoPSIxNzciIGhlaWdodD0iNTkiPjwvaWZyYW1lPg==
ARE YOU READY? GET IT NOW!
Increase more than 500% of Email Subscribers!
Your Information will never be shared with any third party.
Curta nossa Fan Page
Visite nosso site!
Visite nosso site!
Casa de Carne Milaré
STUDIOK
DEMILLUS
Jantar Dia das Mães
Imobiliária Cardinali 
 - Informe publicitário
Fechar
Classificadão São Carlos
Classificadao grátis